Fogo ameaça matas da Mantiqueira

delicias da rafa sem gluten alimentos saudaveis
Delícias da Rafa: Alimentos saudáveis e sem glutén
26/08/2015
mountain-do-visconde-de-maua
Mountain do Visconde é neste sábado
27/08/2015
Mostrar tudo

Fogo ameaça matas da Mantiqueira

É sabido por todos, sobretudo, as autoridades públicas, que o período da seca, que se estende de junho a início de setembro é o mais propício para incêndios que colocam em risco as matas e florestas. Na Serra da Mantiqueira, apesar deste conhecimento público, pouco se faz em termos de prevenção.

Em razão disso, o fogo, muitas das vezes decorrente da autocombustão do capim, devastou extensas áreas da região nas últimas semanas, como flagrado pela Porteira do Mato em um dos pontos da RJ-161, que liga Resende a Vargem Grande e Bagagem, no encontro com a RJ-153. A área é de responsabilidade do Exército brasileiro, sendo administrada pela Academia Militar das Agulhas Negras. Mas há também outros focos de incêndio. Como, por exemplo, no entorno de Bocaina de Minas e às margens da estrada que liga Bocaina a Santo Antônio do Rio Grande e Mirantão.

Daí a extrema atualidade da petição que circula na internet, pedindo aos prefeitos da região da Área de Preservação Ambiental da Serra da Mantiqueira (APA da Mantiqueira) a instalação de Brigadas de Prevenção e Combate a Incêndios. Até o momento a petição obteve somente 90 assinaturas, e o que se espera é que com tantos incêndios ameaçando as matas e florestas da região haja maior adesão. Quem quiser assinar e conhecer a íntegra desta petição, o endereço na internet é:

Clique no ícone para assinar a petição e faça a diferença

Petição para instalação de Brigadas de Prevenção e Combate a Incêndios

Favorece bastante a autocombustão o capim cortado e deixando secar às margens das estradas e rodovias, como ocorre na Estrada Parque Penedo-Mauá, mas também na Via Dutra, onde entre Resende e Piraí há extensas áreas queimadas, atingindo árvores, sobretudo os eucaliptos.

Ajudaria bastante na prevenção se os sitiantes e fazendeiros realizassem o corte de capim e grama, de modo a evitar a propagação do fogo. Contudo, isto não ocorre. Nem as autoridades e nem os donos de terras parecem preocupar-se com o problema, que continua se repetindo, anualmente, nesta época de seca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *