Cartão social ‘Dedicado a você’, 676 milhões atribuídos: 500 euros a partir de setembro. Aqui está quem tem direito a isso

Foram atribuídos 676 milhões ao cartão social ‘Dedicado a ti’, 500 euros por cartão, com um acréscimo de 40,3 euros, e mais 30 mil beneficiários, 1.330.000. O ministro da Agricultura, Francesco Lollobrigida, disse isso na apresentação da nova edição do mapa no Palazzo Chigi. O decreto ministerial de lançamento da medida foi assinado no dia 4 de junho, disse Lollobrigida: «Todos os beneficiários terão o cartão disponível até setembro». Foram introduzidas novas categorias de compra, como produtos DOP e IGP, vegetais congelados, produtos de panificação, atum e carne enlatada.

Quem tem direito: os requisitos do ISEE exigidos

No total serão distribuídos 1,33 milhão de cartões. O decreto estabelece que os beneficiários serão famílias residentes em Itália com ISEE ordinário válido inferior a 15 mil euros. Além disso, o cartão “Dedicado a si” não será atribuído a quem já receba: “Subsídio de inclusão; Rendimento de cidadania; Cartão de compras; qualquer outra medida de inclusão social ou de apoio à pobreza que preveja a concessão de um subsídio económico (um nível nacional, regional ou municipal)”. Nem mesmo a quem recebe “Naspi ou subsídio mensal de desemprego para colaboradores; subsídio de mobilidade; fundos de solidariedade para integração de rendimentos; complementos de rendimento; qualquer outra forma de integração salarial, ou apoio em caso de desemprego involuntário, assegurado pelo Estado”.

O INPS elaborará a lista das famílias que atendem aos requisitos e a enviará às administrações municipais. Para decidir os beneficiários, os Municípios terão de dar prioridade aos “núcleos familiares compostos por pelo menos três membros, dos quais pelo menos um nascido até 31 de Dezembro de 2010”, depois aos que tenham “pelo menos um nascido até 31 de Dezembro de 2006”. e, finalmente, às famílias com pelo menos três membros. Privilegiando sempre aqueles que têm o ISEE mais baixo. Consequentemente, as famílias de uma ou duas pessoas podem ser consideradas excluídas, e aquelas com filhos adultos dependentes também podem ser excluídas.

Felipe Costa