Locri, vítima de falsas acusações: suposto contrabandista absolvido após dois anos de prisão

O Tribunal de Locri, em composição colegiada, absolveu a acusação de auxílio e cumplicidade à imigração ilegal agravada por ter favorecido a entrada clandestina de mais de 5 pessoas, por ter exposto migrantes a perigo para a sua vida, por terem sido submetidos a tratamentos desumanos ou degradantes e de ter agido com fins lucrativos, o cidadão turco Al Ghan Ibrahim, 44 anos. Os juízes da Piazza Fortugno aceitaram as conclusões renunciadas pela defesa, representada pelo advogado. Carlo Bolognino, do Tribunal de Locri, que insistiu na absolvição da acusação com uma fórmula largamente libertadora, enquanto o Ministério Público solicitou a pena de 6 anos de prisão e multa de 983 mil euros.
Um caso, pelo menos aparentemente, completamente “sobreponível” ao de Marjan Jamali, a jovem iraniana também julgada em Locri e a quem nos últimos dias o Tribunal de Revisão concedeu prisão domiciliária em Camini, onde conseguiu reencontrar o filho pequeno . O julgamento contra ele será retomado em 17 de junho no Tribunal de Locri.

Felipe Costa