Messina redescobrindo seus tesouros durante a Noite Mariana

Uma “Noite” em nome da cultura que visa não só descobrir e redescobrir alguns locais da cidade, mas também reviver as origens do culto e a profunda devoção do povo de Messina à sua Padroeira, a Madona da Carta. Outra vez a “Noite Mariana”, já em sua segunda ediçãoteve grande sucesso, confirmando-se como um evento de qualidade vivido em nome da participação graças à extraordinária abertura de igrejas e monumentos no centro histórico que acolheram concertos, exposições e conferências, com o envolvimento de organismos, instituições e associações.

Um amplo contentor cultural, proposto novamente após a primeira emocionante edição de 2023, promovido por ocasião do trigésimo aniversário da fundação do centro interconfraterno diocesano. A iniciativa, em homenagem a Madonna della Lettera, foi curada pelo CID, presidida por Fortunato Marino com Dom Vincenzo Majuri, diretor do escritório diocesano das Confrarias e assistente espiritual do CID em sinergia com a Arquidiocese e a Catedral Basílica, do qual Dom Roberto Romeo é delegado do arcebispo.

A “Noite Mariana” – cuja coordenação das iniciativas foi confiada a Alessandro D'Angelo e ao delegado para as atividades culturais do Cid Marco Grassi – começou na Catedral com a conferência proferida por Dom Roberto Romeo, seguida da evocativa visita ao Santuário das Relíquias, aos fercoli da Madonna della Lettera e de Vascelluzzo, à exposição das vestes sagradas, na monumental Sacristia, ao Museu do Tesouro e ao campanário astronómico. As conferências foram confiadas a Mons. Giuseppe Costa, na capela do Arcebispado; a Don Vincenzo Majuri, na igreja catalã; para Mons. Giò Tavilla, na igreja de Santa Caterina, onde foi possível admirar a exibição de bandeiras marianas. Espaço de música nos claustros do Arcebispado com concertos do coral juvenil “Note Colorate” e dos irmãos Giovanni e Gabriele Scarfì.

As exposições também são muito fascinantes: “A viagem de São Paulo Apóstolo do Povo”, promovida pela biblioteca universitária regional “Giacomo Longo” em colaboração com o Arqueoclube-Área Integrada do Estreito (aberta até 26 de junho). Os dioramas do professor também são sugestivos. Carmelo Ariosto (aberto até 3 de junho) instalado nos claustros do Arcebispado. Particular interesse foi despertado pelo itinerário de escuta “42 d.C. Cartas do céu” promovido pelo ator William Caruso e que decorreu pelas ruas do centro histórico. E de grande interesse no Monte di Pietà é a conferência sobre “Giulio Aristide Sartorio e Messina”, organizada pelo prof. Marco Grassi. Na igreja dos catalães foi possível visitar a preciosa prata Manta de Santa Maria della Scala e a evocativa exposição “O Ícone de Santa Maria della Sacra Lettera e outros Ícones da Mãe de Deus”, detalhadamente criada pelo iconógrafo Paolo Lança.
No adro da Igreja de Montalto, mais um momento musical com o concerto dedicado às mulheres do coro do Liceu Maurolico, dirigido pela professora Silvia Bruccini e a visita ao Museu do Santuário. Os vários locais que acolheram os eventos foram animados por figuras da Companhia Renascentista da Estrela.

Felipe Costa