O Irã atacou, fazendo chover drones e mísseis sobre Israel. Uma menina de 7 anos ficou gravemente ferida. Teerã: “Questão encerrada, mas sem mais erros”. Biden a Netanyahu: “Sem contra-ofensiva”. O G7: “Pare com as hostilidades em Gaza e liberte os reféns”

Irã ataca Israel com 185 drones e 36 mísseis de cruzeiro, enquanto o presidente dos EUA, Biden, convoca o G7 para uma resposta unida. Noite terrível no Médio Oriente após a saraivada de Teerão, 99% dos quais foram interceptados no território do Estado Judeu, que considera os danos causados ​​por um ataque que durou 5 horas como “relativamente pequenos”, mas de sete anos Uma menina de idade no sul de Israel está em estado grave depois de ter sido atingida por estilhaços na sequência da interceção de um drone iraniano na área de Arad, tal como uma criança de 10 anos (no total, também foram registados 31 feridos ligeiros). O alarme cessou, portanto, mas agora as reacções sucedem-se, especialmente na frente ocidental. Durante o ataque, milhares de iranianos saíram às ruas para comemorar o ataque.
Além disso, pela manhã, as autoridades israelitas reabriram o espaço aéreo do país e o aeroporto internacional Ben Gurion de Tel Aviv, após a conclusão do ataque iraniano. Que, no entanto, sofrerá alterações de horário, conforme anunciado pelo Posto de Jerusalém.

Presidente Netanyahu durante o Gabinete de Guerra

Biden fala com Netanyahu

O presidente americano Joe Biden ele disse ao primeiro-ministro israelense Benjamim Netanyahu, em um telefonema de 25 minutos, que deveria considerar a noite uma “vitória” dado que, pelas avaliações iniciais, o ataque do Irão contra o Estado Judeu não teve sucesso. Isto foi afirmado por um funcionário da administração dos EUA, citado pela mídia americana. As forças americanas ajudaram Israel a abater “quase todos” os drones e mísseis disparados pelo Irão, continuou o presidente norte-americano, que confirmou o compromisso “de ferro” de Washington na defesa do Estado judeu. «O Irão – e os seus representantes que operam a partir do Iémen, Síria e Iraque – lançaram um ataque aéreo sem precedentes contra instalações militares em Israel. Condeno estes ataques nos termos mais fortes possíveis”, disse Biden. «Nenhuma força ou estrutura americana foi atacada pelo Irão, concluiu o ocupante da Casa Branca».

O Secretário de Estado levou o assunto mais longe Antony Blinken que “consultará aliados e parceiros na região e em todo o mundo nas próximas horas e dias. Os Estados Unidos condenam nos termos mais veementes o ataque iraniano contra Israel. Embora não procuremos uma escalada, continuaremos a apoiar a defesa de Israel e, como o Presidente deixou claro, defenderemos o pessoal dos EUA.”

Reunião do Conselho de Segurança

Após o ataque perpetrado por Teerã, o Conselho de Segurança da ONU se reunirá hoje às 22h, horário italiano. Isto foi afirmado pela embaixadora maltesa Vanessa Frazier. Malta é atualmente o presidente rotativo do Conselho de Segurança.

A firme condenação de von der Leyen

«Condeno veementemente o ataque flagrante e injustificável do Irão a Israel. Apelo ao Irão e aos seus aliados para que cessem imediatamente estes ataques. Todos os intervenientes devem agora abster-se de uma nova escalada e trabalhar para restaurar a estabilidade na região.” A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, escreve isto no X.

Hamas rejeita mediação

O Hamas rejeitou a oferta feita por Israel na semana passada no Cairo. O gabinete do primeiro-ministro divulgou isto em nome da Mossad. «A rejeição da proposta dos três mediadores que previa uma margem de flexibilidade significativamente maior do lado israelita, demonstra – disse ele – que Sinwar não está interessado num acordo humanitário e no regresso dos reféns, e continua a tirar vantagem das tensões com o Irão para tentar unir os teatros e conseguir uma escalada geral na região.” Israel – acrescentou – “fará tudo para trazer de volta os 133 reféns de Gaza o mais rápido possível”. Ao mesmo tempo, uma representação iraniana na ONU deixa claro que não quer ir mais longe, a menos que haja uma contra-ofensiva de Israel. «O assunto pode ser considerado encerrado assim. Mas se o regime israelita cometer outro erro, a resposta será consideravelmente mais dura.”

O Estado-Maior iraniano afirma que o ataque da noite passada levou à destruição de dois importantes locais militares israelenses. Lemos numa declaração que “Israel ultrapassou os limites ao atacar o nosso consulado na Síria, e teve de responder. O nosso ataque terminou e não queremos continuá-lo, mas responderemos com força se Israel atingir os nossos interesses. Se Washington participar de um ataque contra nós, teremos como alvo suas bases na região e não será seguro”, reforçaram o conceito de Teerã.

Apelo do G7: “Pare com as hostilidades em Gaza e liberte os reféns”

Para “evitar uma nova escalada” no Médio Oriente, os líderes do G7 “fizeram um apelo para pôr fim à crise em Gaza através da cessação das hostilidades e da libertação dos reféns pelo Hamas”, afirmou a presidência italiana. , explicando que os líderes «garantiram a continuação da ajuda humanitária à população palestiniana»

Felipe Costa