Uma «Miles»… fêmea! Comédia de Plauto estreia dia 13 no Teatro Grego de Siracusa

«É um mundo onde o momento da batalha pode nunca chegar. Na verdade, as guerras parecem ser uma hipótese fantástica.” Aquele que forma o pano de fundo para o mundo parece se assemelhar a um mundo tão esperado hoje «Miles gloriosus» de Plauto, a comédia que estreia dia 13 e fica em cena até 29 de junho no teatro grego de Siracusa. O diretor Léo Mascato, que regressa a Siracusa depois do sucesso do ano passado com «Prometheus Chained», especifica que nos encontramos numa comédia de «mal-entendidos e enganos» e «os soldados parecem escoteiros brincando de guerra. É uma história ambientada em um mundo militar, e uma guerra paira no ar, mas nunca a vemos. É por isso que reinventamos um mundo contemporâneo em que é possível tornar qualquer coisa credível.”

Uma comédia, em tradução de Caterina Mordeglia, que é encenado pela primeira vez no Teatro Grego de Siracusa, como lembra a diretora Marina Valensise. Muscato escolheu Paola Minaccioni, rosto popular do cinema e da TV, como protagonista e cercou-se de um elenco exclusivamente feminino. «Estamos nos divertindo muito e também queremos entreter. Mas também queremos oferecer uma reflexão. Fiquei emocionada com a ideia de o elenco ser todo feminino: me cerquei de um elenco excelente com um coral de 40 mulheres. Pensei que conhecia este texto, mas em vez disso começou a falar-me de uma maneira nova: fala-se muito sobre as mulheres. E nasceu a ideia de que só há mulheres no palco.”

Miles gloriosus é um espetáculo ambientado em um acampamento militar indisciplinado além da medida, colorido e decididamente barulhento.. No comando deste campo “sui generis” está Pyrgopolinices, o soldado arrogante que, a partir de Plauto, inspirou dezenas de outros personagens ao longo da história. «Não vamos apenas fazer rir – explica Muscato –. Miles também não tem escrúpulos em decidir sobre a vida ou a morte dos soldados. No final das contas há duas piadas: talvez diante de um estresse excessivo todos nós sejamos capazes de realizar ações terríveis. E no final temos a sensação de empatia com esse soldado: o agressor é intimidado. E o final vai te emocionar”, explica Muscato, apresentando a terceira produção deste ano da Fundação Inda que se prepara para bater recordes: “Já vendemos 140 mil ingressos desde o início dos shows (número destinado a aumentar ed .). Isso nunca aconteceu na história da Fundação”, disse o presidente da Fundação Inda, o prefeito Francesco Italia. No ano passado houve recorde de venda de ingressos com 170 mil ingressos no total (incluindo as duas apresentações de setembro em que participou o presidente da República Sergio Mattarella).

«É uma honra estar aqui – disse Paola Minaccioni –, acredito que é um sonho para todos os atores se consagrarem neste lugar e fazê-lo com a direção de Leo Muscato é realmente um presente e um presente. Encontro-me interpretando esse poder autocrático masculino e, portanto, sendo capaz de zombar de todas as formas de poder que infelizmente prevalecem no momento. Quando criança você sonha em brincar de princesa, mas no final é banal: melhor brincar de homem contraditório, fraco, frágil, mau, involuntariamente cruel. Estou animado por voltar a trabalhar com meu corpo e voz.”

Também no palco estão Giulia Fiume, Alice Spisa, Pilar Perez Aspa, Francesca Mària, Gloria Carovana, Arianna Primavera, Ilaria Ballantini, Deniz Ozdogan, Anna Charlotte Barbera, Valentina Spaletta Tavella, Elena Polic Greco, Ginevra Di Marco, Sara Dho, Alessandra Fazzino , Valentina Ferrante, Diamara Ferrero, Valeria Girelli, Margherita Mannino, Stella Piccioni, Giulia Rupi, Rebecca Sisti, Silvia Valenti, Irene Villa, Sara Zoia. Completando o elenco estão os alunos da Academia de Arte do Drama Antigo. «Miles gloriosus» alternará até 29 de junho com Phaedra (portador da coroa de Hipólito) de Eurípides, o espetáculo dirigido por Paul Curran na tradução de Nicola Crocetti.

Felipe Costa