Vibo, Sant'Anna torrent: mais um vazamento. “Cidade do Futuro” insta o Conselho

Durante meses, muitos pensaram que as câmaras municipais sistematicamente “celebradas” na segunda convocatória eram determinadas exclusivamente por uma questão de números. Como se sabe, a maioria que saiu das eleições autárquicas há cinco anos está desaparecida há mais de um ano, ou seja, desde que o autarca tentou reduzi-la o grupo Città Futura e este último, em resposta, demitiu-se em massa do executivo, sem sequer lhe dar tempo para agir.
Mas uma semana depois da apresentação das listas para as consultas de 8 e 9 de Junho, com o primeiro cidadão essencialmente fora da disputa e a certificação da absoluta falta de vontade por parte das minorias em encerrar antecipadamente o concelho, este teorema também corre o risco de se provar infundado.

No entanto, ontem, pela enésima vez nos últimos dois anos, a assembleia preferiu não se reunir em primeira convocação, preferindo adiar para hoje a discussão dos cinco pontos incluídos na ordem do dia. Em primeiro lugar, a validação do plano económico-financeiro que visa a aprovação das novas tarifas da Tari, que pela primeira vez caiu depois de muito tempo. E não se pode excluir que possa voltar a entrar urgentemente no debate mais um vazamento no mar da torrente de Sant'Anna. Questão levantada ontem pelo grupo Città Futura que convidou a administração a verificar o correto manejo do purificador de Sílica e a esclarecer quando será coletado o fluxo mais incriminado dos verões de Vibo.

Felipe Costa