A fuga para o exterior de Amedeo Matacena, crime prescrito pelo ex-ministro Scajola. Mais dois absolvidos

Nenhum papel ou responsabilidade Projeto de fuga de Amedeo Matacena para o exterior, à época dos acontecimentos, um ex-parlamentar que se refugiou no estrangeiro, escolhendo o Dubai, para escapar a uma sentença definitiva por cumplicidade externa numa associação mafiosa. O Tribunal de Recurso de Reggio Calabria declarou “não há necessidade de prosseguir” e a prescrição do crime de descumprimento de pena adquirido, pelo qual foi condenado a 2 anos em primeira instância, a favor do primeiro Ministro do Interior e atual prefeito de Imperia, Cláudio Scajola. Os Juízes de Apelação de Reggio Calabria (presidente Monica Lucia Monaco) confirmaram a sentença de absolvição contra Martino Politi, histórico homem de confiança da família Matacena; e à secretária dos cônjuges Matacena-Chiara Rizzo, Maria Grazia Fiordelisi. Todos os três estiveram envolvidos e sobrecarregados com pesadas acusações na operação “Breakfast” conduzida pela promotoria antimáfia de Reggio Calabria e pelo centro de operações Dia no verão de 2014. Há uns bons 10 anos. No prazo de 90 dias, o Tribunal de Recurso apresentará as razões da sentença.

Felipe Costa