Catanzaro, ainda se preocupa com o solteiro Zes

Permanece a “preocupação” no Palazzo De Nobili com o destino da única ZEE no Sul e, em particular, com as perspectivas que dizem respeito não só ao território da cidade, mas também ao regional. Já nos últimos meses – eram os primeiros dias de 2024 – tinha sido emitido um alerta do município da capital regional relativamente à reforma da estrutura – que a partir de 1 de Março unificou todas as ZEE pré-existentes – no que diz respeito à sua ampla abrangência efeitos: desde a concorrência interna nos próprios territórios do Sul até às potenciais incógnitas para o planeamento urbano, até ao crédito fiscal. Receios que estão longe de se dissiparem ao longo destes meses se, mesmo agora, a ZEE única não tiver um plano estratégico.
O vereador da actividade económica Antonio Borelli, que já tinha dado o alarme em Janeiro passado, reitera numa conversa telefónica a delicadeza da situação, tanto em termos de limitações administrativas, como em termos de limitações ao potencial de desenvolvimento de um instrumento que ao longo dos anos sofreu diversas alterações, incluindo à luz dos benefícios proporcionados. Borelli parte da necessidade de continuar promovendo o diálogo institucional para montar uma ferramenta verdadeiramente adequada às necessidades do território.

Felipe Costa