Estreito de Messina, viagens perdidas da Blue Jet e Liberty Lines: Codacons anuncia reclamação. A empresa responde: “Tempo adverso e passageiros avisados”

A CODACONS toma medidas sobre as recentes perturbações no transporte no Estreito: os factos são conhecidos: na manhã de 7 de março, uma corrida de hidrofólio na rota Reggio Calabria-Messina começou por “saltar”: a corrida das 08h50, sempre cheia de utilizadores, utilizada por muitos estudantes e trabalhadores suburbanos, ainda não começou.
Os motivos oficiais comunicados são o “mau tempo”, mas os passageiros que ficaram retidos apontaram como já a partir da noite de 6 de março foi impossível adquirir bilhete para aquela corrida (e as condições meteorológicas marítimas permaneceram quase inalteradas…).
Aguardamos esclarecimentos da Liberty Lines, até porque – apesar de ter deixado de emitir bilhetes para aquela viagem – a transportadora não decidiu comunicar o cancelamento (pelo menos com anúncio no seu site) e os passageiros só tomaram conhecimento da desagradável notícia quando foi para o porto.
Os inconvenientes para os passageiros que atravessam o Estreito – explica CODACONS – continuaram, dado que o A Blue Jet (empresa do grupo “Ferrovie dello Stato”) cancelou no último momento (e sem aviso prévio) a viagem das 00h20 do dia 8 de marçodeixando numerosos passageiros a pé no porto de Villa San Giovanni – no meio da noite e no frio – incluindo uma família deficiente, uma das quais até cadeira de rodas.
Segundo o que foi relatado a alguns infelizes viajantes, que se queixaram deste enésimo desserviço, o pessoal responsável respondeu que – como todos os comboios chegavam antes da meia-noite – os passageiros que chegavam de comboio tinham sido obrigados a embarcar no transatlântico (que partia às 24 horas). ), cancelando – inexplicavelmente – o hidrofólio das 00h20. As pessoas que não tinham chegado de comboio, e tinham todo o direito de aproveitar este passeio para chegar à Sicília, ficaram ali, obrigando-as efectivamente a caminhar até ao ferry de Caronte, chegando a Messina mais de duas horas depois do previsto. hora em que chegariam a Messina.
Para muitos, a triste odisseia continuou até com um belo passeio até ao parque de estacionamento da estação marítima (perto do cais do hidrofólio), onde haviam deixado seus veículos estacionados, sem saber que em vez disso o hidrofólio “desapareceria” misteriosamente e que só poderiam chegar em casa às primeiras luzes da madrugada.
Alguns utilizadores – explica CODACONS – contactaram-nos e vão apresentar reclamação para denunciar o incidente, visto que o cancelamento desta corrida pode constituir uma interrupção totalmente injustificada do serviço público.
A CODACONS, inspirando-se nos dois episódios recentes, convida os utilizadores a denunciar qualquer desserviço ou conduta incorrecta por parte de qualquer empresa de transporte marítimo que opere na zona do Estreito ou nas ligações com as Ilhas Eólias.
As denúncias, de fato, são o ponto de partida para proteger os próprios direitos e para obter indenização ou indenização nos casos em que alguém seja submetido a condutas deste tipo.
Por último, a CODACONS solicitará a intervenção do Ministério das Infraestruturas e dos Transportes, da Região da Sicília e da Autoridade Garantidora da concorrência e do mercado, que já tratou de um caso semelhante: é importante – explica a associação de consumidores – que os utilizadores façam ouvir a sua voz com os protestos civis à sua disposição e que peçam sempre feedback a alguém (nos serviços) para o preço pago por eles.
Será possível, antes da possível construção da ponte sobre o Estreito, ter serviços de transporte (em grande parte subsidiados com fundos públicos) que respeitem horários e não pulem percursos?

A réplica da Liberty Lines

A rota que sai de Reggio Calabria às 08h50 com destino a Messina faz parte de uma linha que tem origem em Salina pela manhã às 05h30. É claro que em caso de condições climáticas e marítimas adversas, o navio não parte e, portanto, não pode completar todo o itinerário planejado.

Ele é o Comandante do navio, auxiliado pela instrumentação de bordo e informações relacionadas às condições meteorológicas e marítimas do porto de partida, do mar aberto e do porto de chegada, para avaliar a viabilidade da viagem de forma a garantir a total segurança dos passageiros ou do veículo.

Quando a empresa toma conhecimento de algum atraso ou omissão, divulga a notícia enviando uma mensagem de texto aos passageiros que já possuem passagem e informando a todos os demais através de seu site e dos canais Telegram que contam com vários milhares de assinantes.

Feitas todas essas premissas necessárias, vamos ao caso específico: a viagem de Reggio Calabria às 08h50 para Messina em 7 de março de 2024 foi fechada à venda no dia anterior. Os titulares de bilhetes foram notificados por SMS no dia 6 de março pelas 11h30 e a notícia foi publicada no site da empresa e nos canais oficiais Telegram da Liberty Lines no dia 6 de março pelas 14h47.

Nesse momento, com bastante antecedência, todos os passageiros puderam remarcar a sua viagem, optando por partir no nosso navio das 8h20 ou das 9h30.

Felipe Costa