O melhor do cinema alemão no Festival de Cinema de Roma

A quarta edição do Festival de Cinema Alemão regressa a Roma de 14 a 17 de março, no Cinema Quattro Fontane. Este é o resultado da iniciativa German Films que, há mais de 25 anos, promove o cinema alemão em todo o mundo, e que este ano comemora 70 anos de atividade. O Festival acontecerá em colaboração com o Goethe-Institut e a Embaixada da República da Alemanha em Roma. Ao longo dos quatro dias de programação, serão apresentadas algumas das mais interessantes produções cinematográficas alemãs recentes, nas quais o público romano será convidado a votar no seu filme preferido. Uma seleção de filmes, incluindo estreias e primeiras obras italianas, que abrangem vários géneros e temas, desde a emancipação feminina à reivindicação dos direitos dos atletas queer, passando pelo cinema de género e histórias de maioridade.

Para abrir o festival, em prévia italiana, «Falling into place», primeira obra da diretora Aylin Tezel, que também é protagonista. Kira e Ian, dois estranhos que fogem de seu passado, se encontram durante um fim de semana em uma ilha: durante 36 horas tudo parece possível, mas de volta a Londres, sem saber que moram a uma curta distância um do outro, só conseguirão se encontrar outro depois de enfrentar seus demônios.
Entre os filmes em competição está “Caixa Preta”, dirigido por Asli Özge, premiado diretor de Homens na Ponte, premiado como Melhor Roteiro no Festival de Cinema de Roma. «Elaha» (do nome da protagonista, uma jovem curda-alemã), surpreendente primeira obra de Milena Aboyan, estreou em Berlim. Também na estreia italiana está “Quando será novamente como nunca foi antes”, de Sonja Heiss, uma comovente história de amadurecimento ambientada em um grande hospital psiquiátrico.

Entre os títulos também está o documentário “A vida não é uma competição mas estou ganhando”, primeira obra da diretora Julia Fuhr Mann, que conta a história de um grupo de atletas queer que foram impedidos de participar de eventos esportivos. Um coletivo de atletas queer entra no Estádio Olímpico de Atenas com o intuito de homenagear aqueles que sempre foram excluídos do pódio dos vencedores. Fechando esta quarta edição está «Lola Corre» (Lola run), filme de 1998 escrito e dirigido por Tom Tykwer, estrelado por Franka Potente e Moritz Bleibtreu, um dos filmes simbólicos do cinema alemão moderno após a queda do Muro de Berlim que é revivido do festival por ocasião do 70º aniversário do Cinema Alemão.

A que está presente em Roma é uma seleção de obras de autores e diretores sob a atenção da crítica e de festivais internacionais, cuidadosamente selecionadas pelo júri composto por Cristiana Paternò, Mauro Donzelli e Miriam Mauti. A programação do festival é completada por uma seleção de curtas-metragens das principais escolas de cinema alemãs lançadas em 2023.

O Festival de Cinema Alemão é promovido pela German Films Service + Marketing GmbH, em colaboração com o Goethe-Institut e a Embaixada da República da Alemanha em Roma com o apoio do Cinema Quattro Fontane. Os filmes serão apresentados no idioma original com legendas em italiano.

Felipe Costa