Uma orca matando um grande tubarão branco é filmada pela primeira vez. VÍDEO

Um grupo de investigação internacional, na sequência de uma expedição do Centro de Estudos de Tubarões – Instituto Científico de Massa Marittima, observou, filmou e documentou a matança e predação de um grande tubarão branco por uma orca pela primeira vez no mundo, nas águas de Mossel Baía, África do Sul.

Os resultados das observações foram publicados hoje no African Journal of Marine Science. Sabia-se que as orcas são capazes de cooperar entre si para atacar grandes presas como leões marinhos, focas e até outras baleias, utilizando estratégias reais de caça que combinam força com inteligência. Mas é a primeira vez que os investigadores documentam um ataque a um grande tubarão branco por estes mamíferos, em particular um exemplar de orca conhecido pelos cientistas – que o observam na área há algum tempo – com o nome de Estibordo, um devido à sua barbatana dorsal colapsada.

«E pela primeira vez – explica Primo Micarelli, Professor Adjunto da Universidade de Siena e Diretor do Centro de Estudos de Tubarões – Instituto Científico de Massa Marittima – conseguimos documentar o ataque de uma baleia assassina que em apenas dois minutos matou e extraiu o fígado, rico em lipídios para sua alimentação, do grande peixe predador, que passava perto do barco com um pedaço de fígado na boca.”

Micarelli juntamente com a Coordenadora Científica Francesca Romana Reinero e sua equipe realizaram as filmagens e observações a bordo da lancha equipada para a expedição. «Este avistamento – explica Alison Towner, do Departamento de Ictiologia da Universidade de Rhodes, na África do Sul – revelou a dinâmica da caça solitária por orcas, um comportamento diferente das estratégias convencionais de caça cooperativa conhecidas na região. Estas são percepções revolucionárias sobre o comportamento predatório desta espécie”.

A presença de orcas caçadoras de tubarões, conclui Alison Towner, “poderia estar ligada a uma dinâmica mais ampla de mudanças rápidas no ecossistema local”.

Felipe Costa